Desafio de Redação volta a ser presencial após dois anos on-line

O Desafio de Redação voltará a ser realizado de forma presencial nas escolas da região em sua 16ª edição. Nos dois últimos anos o concurso foi feito on-line, por causa das restrições impostas pela pandemia. Representantes do Diário e da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), organizadores do concurso literário, reuniram-se ontem à tarde no prédio do jornal, em Santo André, para dar a largada ao projeto. A meta é superar a marca dos 100 mil textos.

“Os últimos dois anos foram muito difíceis. Mesmo em cenário adverso, encontramos uma maneira de manter vivo o principal concurso literário da região, recorrendo à ajuda da tecnologia. No momento de retomada, vamos voltar à fórmula tradicional”, diz o diretor adjunto de Redação do Diário, Evaldo Novelini. Ele acredita que a adesão será maior com a distribuição dos formulários em papel nas salas de aula. “Muitas escolas têm dificuldades de acesso à internet.”

Parte do concurso, todavia, seguirá sendo feita via internet. Os textos da categoria voltada à comunidade – ou seja, de quem não está matriculado em escola – poderão ser redigidos no site que será colocado no ar no lançamento desta edição. Outra inovação implantada em 2021 e que será mantida é a premiação em dinheiro à escola com maior número de estudantes inscritos – até 2020, a vencedora era a que tinha a torcida mais animada na festa de premiação.
 
A reunião de ontem também serviu para que os organizadores definissem o tema do concurso deste ano, que, por enquanto, será mantido em sigilo. “Queremos antes validá-lo com outros parceiros importantes do Desafio de Redação, que são os dirigentes e secretários municipais de Educação”, explica o coordenador de Comunicação, Marketing e Cultura da USCS, Joaquim Celso Freire. O encontro ao qual ele se refere está agendado para 18 de maio, na sede do jornal.
 
O cronograma completo do desafio será divulgado no mês que vem. Em toda a sua história, o concurso acumula 1,4 milhão de textos produzidos. Nos dois últimos anos, por causa da pandemia, a média de redações passou de 100 mil para 6.000. A vencedora da categoria principal da 15ª edição, cujo tema era A Ciência Como Luz na Escuridão, foi Lívia Farias Cassemiro, do Sesi (Serviço Social da Indústria) de São Bernardo. Ela ganhou uma bolsa universitária de estudos.
 
Pelo Diário, além de Novelini, participaram da reunião de ontem o editor executivo Nilton Valentim, a coordenadora de Publicidade Josiana Abrão e o responsável pela logística do concurso Luiz Daineze. Já a USCS esteve representada, além de Freire, pelo professor Ricardo Carvalho de Almeida, coordenador de programas e projetos de extensão pela Cidap (Coordenadoria de Integração, Desenvolvimento e Apoio Profissional).